Home
terça-feira, 06  de novembro de 2007|  Adicionar aos Favoritos  |   Indique a um Amigo        
Foto
AjudeSou ContraCuriosidadesContate-nos
   Quem Somos
   Parceiros
   Reuniões e Eventos
   Contate-nos
Ajude
   Adote um Animal
   Abaixo-Assinados
   Castração
   Denuncie
   Doações para o Abrigo
   Posse Responsável
   Procura Animal Perdido
   Seja Voluntário
Sou Contra
   Animais em Circo
   Atrocidades
   Carroças Tração Animal
   Leishmaniose
   Pesquisas com Animais
   Rodeios
   Rotulagem Animal
   Touradas
Curiosidades
   Dicas e Orientações
   Divertidos
   Emocionantes
   Punições
   Sites/Links
 

 Forum >> Pesquisas com Animais >> Lei sancionada por Cézar Maia-RJ
Lei sancionada por Cézar Maia-RJResponder sobre Lei sancionada por Cézar Maia-RJ
Administrador AB
6/11/2007
LEI N.º 4.685 DE 23 DE OUTUBRO DE 2007
 
 Estabelece multa para maus-tratos a animais e sanções administrativas a serem aplicadas a quem os praticar, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas, no âmbito do Município do Rio de Janeiro e dá outras providências.
 
 Autor: Vereador Cláudio Cavalcanti
 
 O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
 
 Art. 1.º Fica estabelecida multa para maus-tratos e crueldade contra animais e sanções administrativas a serem aplicadas a quem as praticar, sejam essas pessoas físicas ou jurídicas, munícipes ou estabelecimentos comerciais, industriais, instituições de ensino, laboratórios ou instituições de pesquisa.
 
 Parágrafo único. Entenda-se por animais todo ser vivo animal não humano, inclusive:
 
 I - fauna urbana não domiciliada: felinos, caninos, eqüinos, pombos, pássaros, aves;
 
 II - animais de produção ou utilidade: ovinos, bovinos, suínos, muares, caprinos. aves;
 
 III - animais domesticados e domiciliados, de estimação ou companhia;
 
 IV - fauna nativa;
 
 V - fauna exótica;
 
 VI - animais remanescentes de circos;
 
 VII - grandes e pequenos primatas, anfíbios e répteis;
 
 VII - pássaros migratórios; e
 
 IX - animais que componham plantéis particulares constituídos de quaisquer espécies e para qualquer finalidade.
 
 Art. 2.º Define-se como maus-tratos e crueldade contra animais ações diretas ou indiretas capazes de provocar privação das necessidades básicas, sofrimento físico, medo, stress, angústia, patologias ou morte.
 
 § 1.º Entenda-se por ações diretas aquelas que, volitiva e conscientemente, provoquem os estados descritos no caput, tais como :
 
 I - abandono em vias públicas ou em residências fechadas ou inabitadas;
 
 II - agressões diretas ou indiretas de qualquer tipo tais como:
 
 a) espancamento;
 
 b) lapidação;
 
 c) uso de instrumentos cortantes;
 
 d) uso de instrumentos contundentes;
 
 e) uso de substâncias químicas;
 
 f) fogo;
 
 g) uso de substâncias escaldantes;
 
 h) uso de substâncias tóxicas.
 
 III - privação de alimento ou de alimentação adequada à espécie;
 
 IV - confinamento inadequado à espécie;
 
 V - coação à realização de funções inadequadas à espécie ou ao tamanho do animal;
 
 VI - abuso ou coação ao trabalho de animais feridos, prenhes, cansados ou doentes;
 
 VII - torturas .
 
 § 2.º Entenda-se por ações indiretas aquelas que provoquem os estados descritos no caput através de omissão, omissão de socorro, negligência, imperícia, má utilização e/ou utilização por pessoa não capacitada de instrumentos ou equipamentos.
 
 Art. 3.º Maus-tratos e crueldade contra animais serão punidos com multa no valor de R$2.000.00 (dois mil reais).
 
 Parágrafo único. Havendo reincidência:
 
 I - sendo o infrator pessoa física, o valor da multa terá seu valor duplicado e o processo será encaminhado à Procuradoria-Geral do Município para as providências criminais cabíveis, ficando a cargo do Poder Executivo Municipal, através da Secretaria Municipal de Governo, a determinação das providências a serem tomadas posteriormente à aplicação da multa e cabíveis em cada caso;
 
 II - sendo o infrator pessoa jurídica, o valor da multa será aplicado por cabeça de animal submetido a maus-tratos e crueldade e proceder-se-á a cassação do alvará do estabelecimento.
 
 Art. 4.º A Prefeitura aplicará as sanções e penalidades de que trata esta Lei, determinando, se necessário, o órgão competente para a fiscalização de seu cumprimento.
 
 Art. 5.º O Poder Executivo informará o teor desta Lei a todos os estabelecimentos cadastrados cuja atividade se enquadre nas disposições desta Lei.
 
 Art. 6.º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
 
 CESAR MAIA

RodapéRodapé
|   Home   |   Ajude   |   Sou contra    |   Curiosidades   |   Contate-nos   |   Login   |   FÓRUM   |   Perguntas Freqüentes   |