Home
quinta-feira, 31  de janeiro de 2008|  Adicionar aos Favoritos  |   Indique a um Amigo        
Foto
AjudeSou ContraCuriosidadesContate-nos
   Quem Somos
   Parceiros
   Reuniões e Eventos
   Contate-nos
Ajude
   Adote um Animal
   Abaixo-Assinados
   Castração
   Denuncie
   Doações para o Abrigo
   Posse Responsável
   Procura Animal Perdido
   Seja Voluntário
Sou Contra
   Animais em Circo
   Atrocidades
   Carroças Tração Animal
   Leishmaniose
   Pesquisas com Animais
   Rodeios
   Rotulagem Animal
   Touradas
Curiosidades
   Dicas e Orientações
   Divertidos
   Emocionantes
   Punições
   Sites/Links
 

 Forum >> Carroças Tração Animal >> RS-Finalmente, o secretariado do Prefeito Fogaça busca soluções para terminarmos com a escravidão
RS-Finalmente, o secretariado do Prefeito Fogaça busca soluções para terminarmos com a escravidãoResponder sobre RS-Finalmente, o secretariado do Prefeito Fogaça busca soluções para terminarmos com a escravidão
Administrador AB
31/1/2008

Depois de 16 anos em que a Prefeitura nada fez, e até incentivou a coleta de lixo por carroceiros, agora passados 3 anos, finalmente, o secretariado do Prefeito Fogaça busca soluções para terminarmos com a escravidão dos cavalos e com a exploração de pessoas.

Leia atentamente a matéria do jornalista Herculano Barreto Filho, publicada hoje em Zero Hora, e comece a entender que interesses estão por trás da manutenção de carroceiros e catadores na capital.

É importante enviar seus comentários para: leitor@zerohora.com.br e geral@zerohora.com.br

http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&source=a1752259.xml&template=3898.dwt&edition=9217&section=67

PELA APROVAÇÃO IMEDIATA DO PROJETO DE LEI DO VEREADOR SEBASTIÃO MELO PARA TERMINAR COM A CIRCULAÇÃO DE CARROÇAS EM PORTO ALEGRE E COM A EMENTA DO VEREADOR ADELI SELL NUM PRAZO MÁXIMO DE 4 ANOS.

Não queremos mais que Porto Alegre seja a capital das carroças, onde diariamente cavalos são mal tratados, onde não há respeito no trânsito e onde poucos espertalhões se aproveitam de outros.


31 de janeiro de 2008 | N° 15496

Capital

Retirada de carroceiros depende de investimento

Prefeitura propõe centro que funcionaria como unidade de triagem.

Um projeto do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) para retirar carroceiros das ruas da Capital ainda não saiu do papel por falta de dinheiro.

Técnicos da prefeitura propõem a criação do Centro de Material de Reciclagem (Cemar) em um terreno na Rua Voluntários da Pátria, que funcionaria como uma unidade de triagem, com cozinha do Fome Zero, posto médico e cursos profissionalizantes para os familiares dos catadores.

A proposta, avaliada em R$ 3 milhões, foi levada ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no ano passado, mas não se enquadrava nos critérios dos projetos apoiados pela entidade porque incluía a construção de um galpão. Agora, a prefeitura aposta as fichas na obtenção de recursos com o Ministério do Trabalho.

A idéia é atender os catadores da Região das Ilhas e do Centro, onde há maior concentração de carroceiros. Um levantamento do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis diz que cerca de 2,5 mil trabalhadores da região das Ilhas tiram o sustento do recolhimento de garrafas pet, papelão e latinhas de alumínio.

Um cadastramento de carroças feito pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) registrou 4 mil veículos de tração animal. Para o vereador Sebastião Melo (PMDB), o número é bem maior. Ele calcula que 8 mil carroças, incluindo as de moradores da Região Metropolitana, disputem espaço entre os carros no asfalto da Capital.

O problema é que abandonar as carroças nem passa pela cabeça dos catadores da Região das Ilhas. De acordo com o carroceiro Venâncio Francisco de Castro, 50 anos, eles recebem, em média, R$ 350 por semana. Se fossem trabalhar numa unidade de triagem, não ganhariam mais do que R$ 400 por mês. Venâncio é o coordenador-estadual do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis, com cerca de 2 mil carroceiros associados no Rio Grande do Sul. Só na Ilha, são 320 "companheiros", como Venâncio costuma chamar os colegas de profissão. Ele trabalha como motorista da entidade, evitando que os entulhos passem pelas mãos do "atravessador", que compra do carroceiro e carrega o material num caminhão. E do "aperista", que compra do "atravessador" e repassa para a indústria.

- Somos responsáveis pela coleta, pela comercialização e pela organização. Aqui não tem DMLU impondo regras e ordens. Não tem "fulano de tal engravatadinho" que vai nos dizer o que fazer. O catador que toma a decisão - diz Venâncio.

- Em algum momento, o poder público vai ser obrigado a tirar os carroceiros das ruas. Pelo menos nós estamos tentando oferecer uma alternativa de trabalho para essas pessoas - rebate o diretor em exercício do DMLU, Carlos Vicente Bernardoni Gonçalves.

HERCULANO BARRETO FILHO | Especial

Saiba mais
- Circulam pelas ruas da Capital cerca de 8 mil carroceiros (2,5 mil são da Região das Ilhas)
- O DMLU conta com 13 unidades de triagem e uma unidade de triagem e compostagem
- Cada unidade tem uma média de 60 catadores, e recebe R$ 2,5 mil da prefeitura para manutenção mensal
- De acordo com um grupo voluntário de proteção aos animais, há pelo menos um caso por dia de maus-tratos contra cavalos na Capital

Foto de ADRIANA FRANCIOSI

De acordo com a EPTC, cerca de 4 mil veículos de tração animal disputam espaço com os carros nas vias de Porto Alegre


RodapéRodapé
|   Home   |   Ajude   |   Sou contra    |   Curiosidades   |   Contate-nos   |   Login   |   FÓRUM   |   Perguntas Freqüentes   |