Home
quarta-feira, 06  de agosto de 2008|  Adicionar aos Favoritos  |   Indique a um Amigo        
Foto
AjudeSou ContraCuriosidadesContate-nos
   Quem Somos
   Parceiros
   Reuniões e Eventos
   Contate-nos
Ajude
   Adote um Animal
   Abaixo-Assinados
   Castração
   Denuncie
   Doações para o Abrigo
   Posse Responsável
   Procura Animal Perdido
   Seja Voluntário
Sou Contra
   Animais em Circo
   Atrocidades
   Carroças Tração Animal
   Leishmaniose
   Pesquisas com Animais
   Rodeios
   Rotulagem Animal
   Touradas
Curiosidades
   Dicas e Orientações
   Divertidos
   Emocionantes
   Punições
   Sites/Links
 

 Forum >> Dicas e Orientações >> Cinomose pode ser transmitida no momento da vacinação contra raiva
Cinomose pode ser transmitida no momento da vacinação contra raivaResponder sobre Cinomose pode ser transmitida no momento da vacinação contra raiva
Administrador AB
6/8/2008

04/08/2008
Cinomose pode ser transmitida no momento da vacinação contra raiva
A contaminação do frasco da vacina anti-rábica por parte do
administrador da dose, que pode ter utilizado a mesma agulha para mais
de um animal, pode ser um meio pelo qual cães têm contraído a doença
infecto contagiosa Cinomose.

Segundo o médico veterinário Paulo Eduardo da Cunha, a doença demora
cerca de 15 dias para se manifestar. Ele afirma que na sua clínica, em
Vila Velha, já foram registrados no mês de julho, mais de 20 caninos
com a doença.

Paulo explica que depois das campanhas nota-se um aumento no número de
casos, mas desta vez a contaminação está exagerada: "Atendi a um
chamado em uma residência em que pelo menos quatro cachorros estavam
contaminados" .

Ele pondera que pode ter acontecido um possível erro na administração
da dose em animais durante a campanha de vacinação contra raiva. "A
pessoa usa a agulha em um animal e aí leva a agulha para dentro do
frasco novamente. As pessoas erram. Aí trocam só depois, mas já
contaminou e não adianta mais". Ele acrescenta ainda que a Cinomose é
transmitida por vírus, quando da aglomeração de cães na hora da
aplicação.

Segundo a coordenadora do Programa Estadual de Vacinação Anti-Rábica,
Joaquina Pezzopane, a campanha visa bloquear o sorotipo e não uma
contaminação cruzada. Joaquina destaca que as equipes em cada
município é treinada por um médico veterinário. Todos desempenham a
atividade devidamente uniformizados e com luvas.

A coordenadora ressalta ainda que o frasco contém 25 doses a serem
aspiradas e as agulhas são individuais e descartáveis: "É uma agulha
para cada animal, depois de feita a dosagem seringa e agulha são
descartadas e o frasco volta para caixa térmica".

DOENÇA. O principal é que o dono do animal observe como o cão está
sendo vacinado. Depois de infectado, o animal pode manifestar a doença
em até 15 dias. Aumento da temperatura, conjuntivite ou corrimento
nasal são os principais sintomas iniciais. Segundo o veterinário Paulo
Eduardo, mais tarde o animal pode apresentar sintomas digestivos
(diarréia e vômito) ou nervosos (contrações involuntárias, falta de
coordenação motora ou dor de cabeça).

Paulo lembra que a doença é de difícil tratamento, dependendo quase
exclusivamente do cão e de sua capacidade de ter uma resposta
imunológica suficiente. Além de ser caro.

Sua evolução é imprevisível, ou seja, quando o cão adoece, não há como
saber se ele vai se salvar ou não, ou se sua morte vai ser rápida ou
lenta. "Em 85% dos casos o animal não sobrevive e os donos preferem
sacrificar, porque o sofrimento é muito grande. Se curado o animal
ainda permanece como portador da doença por um ano", frisa o
veterinário.

http://www.eshoje. com.br/noticia. asp?edicao= &id=1171& editoria= saude


RodapéRodapé
|   Home   |   Ajude   |   Sou contra    |   Curiosidades   |   Contate-nos   |   Login   |   FÓRUM   |   Perguntas Freqüentes   |