Home
quinta-feira, 13  de novembro de 2008|  Adicionar aos Favoritos  |   Indique a um Amigo        
Foto
AjudeSou ContraCuriosidadesContate-nos
   Quem Somos
   Parceiros
   Reuniões e Eventos
   Contate-nos
Ajude
   Adote um Animal
   Abaixo-Assinados
   Castração
   Denuncie
   Doações para o Abrigo
   Posse Responsável
   Procura Animal Perdido
   Seja Voluntário
Sou Contra
   Animais em Circo
   Atrocidades
   Carroças Tração Animal
   Leishmaniose
   Pesquisas com Animais
   Rodeios
   Rotulagem Animal
   Touradas
Curiosidades
   Dicas e Orientações
   Divertidos
   Emocionantes
   Punições
   Sites/Links
 

 Forum >> Dicas e Orientações >> Tratamento contra Raiva
Tratamento contra RaivaResponder sobre Tratamento contra Raiva
Administrador AB
13/11/2008
Tratamento contra raiva orienta modelo nacional
Publicado em 12.11.2008

Vídeo

» Veja vídeo

Amantadina, usada até o início da década contra o vírus influenza (da gripe) e também em alguns casos de mal de Parkinson, é um dos remédios da terapia inovadora, adotada pelos médicos do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, no Recife, para tratar o adolescente Marciano Menezes da Silva, 15, infectado pelo vírus da raiva e que pode se tornar o primeiro brasileiro sobrevivente à doença. A experiência segue protocolo do médico americano Rodney Willoughby, que curou uma jovem de 15 anos em 2004, e motiva o Ministério da Saúde a preparar nova orientação sobre tratamento da raiva humana, até então considerada fora de possibilidade terapêutica.

Em nota técnica, a Secretaria Nacional de Vigilância em Saúde informa que diante das novas perspectivas vai elaborar protocolo de tratamento a ser usado nos novos casos de raiva. O ministério lembra na mesma nota, no entanto, que se trata de doença evitável pela vacinação de animais domésticos e profilaxia de pessoas expostas ao vírus.

“Essa experiência muda radicalmente o que sempre fizemos. Sedávamos o doente e esperávamos a sua morte”, descreveu ontem o infectologista Vicente Vaz, do Huoc, que em seus 20 anos de carreira acompanhou 12 pessoas com raiva, sem que os doentes ultrapassassem dez dias com vida. Agora, explicou Vaz, a sedação foi feita com substâncias de efeitos dirigidos à doença. Os médicos usaram também o anestésico Ketamina, que, com a Amantadina (cuja caixa custa R$ 11), diminui o metabolismo do cérebro e combate movimentos anormais. As drogas teriam efeito neuroprotetor contra o vírus da raiva, que inflama o tecido cerebral e diminui o fluxo sanguíneo, levando à morte.

Vaz e os responsáveis pelo tratamento de Marciano, Gustavo Trindade e Ana Flávia Azevedo, coordenadores da UTI de Doenças Infecciosas do Huoc, esperam confirmar até amanhã a segunda etapa da cura do garoto. “Existem três fases da cura. Ele já venceu a infecção aguda, precisamos confirmar pela terceira vez a eliminação do vírus e daí, só faltará a cura clínica das lesões que sofreu”, explicou Trindade. O tratamento e a evolução do paciente foram apresentados em entrevista coletiva. Marciano poderá ser o terceiro curado. Um colombiano teria obtido cura, mas morreu por complicações posteriores.

O pernambucano é o 16º paciente submetido à terapia no mundo. A equipe do Isolamento do Huoc teve acesso em 2006 ao artigo dos americanos sobre a experiência exitosa. No ano passado, os médicos estiveram com o Dr. Rodney, no Recife, e decidiram que usariam o protocolo se um doente chegasse à unidade. “Tivemos agora novo contato por audioconferência e diariamente trocamos emails, sobre exames e condutas”, explica Trindade. Ana Flávia Azevedo diz que o protocolo americano é adaptado às condições locais. Segundo a nota técnica, o Ministério da Saúde importará remédios e providencia materiais para exames a serem feitos nos EUA.

A equipe do Huoc credita o sucesso também ao sistema imunológico do garoto. Ele desenvolveu duas infecções, uma delas respiratória, e reage bem. Marciano voltou a ser sedado ontem por causa de convulsões, mas tem bom prognóstico. O otimismo é rodeado por cautela. Os médicos dizem que há risco de morte, em função de complicações da doença (há lesões na base e no tronco do cérebro e da medula) e da longa internação. Não sabem se ele irá superar seqüelas como a americana, que fala, corre e dirige veículo.

Vicente Vaz alerta para novo padrão de transmissão da raiva, com a exposição a animais silvestres, como o morcego, já que o Brasil tem conseguido proteção com a vacinação de cães e gatos domésticos

====================================================================================

Próximo da cura

Pernambuco faz história no tratamento de raiva humana

POSTADO ÀS 18:13 EM 11 DE Novembro DE 2008

A cura ainda não pode ser comemorada por completo, no entanto, os médicos pernambucanos anunciaram avanços históricos no tratamento do paciente com raiva humana no Estado. Nesta tarde, em coletiva de imprensa no Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), a equipe que acompanha o caso explicou os feitos que, segundo apontam, vão mudar a forma de tratamento e diagnóstico da doença no País.

No mundo, há apenas um caso documentado de cura com recuperação neurológica completa: uma garota de 15 anos nos Estados Unidos (assista aqui um vídeo da jovem totalmente recuperada). "Como diz a literatura, a raiva humana mata em 100% dos casos, na maioria das vezes, do 1º ao 7º dia de tratamento", lembra o chefe da UTI do HUOC, Gustavo Trindade. Em Pernambuco, o jovem Marciano Menezes da Silva, de também 15 anos, apresenta o quadro clínico há 36 dias com resultados otimistas.

Através da troca de e-mails e audioconferências com americanos de Milwaukee (que criaram um protocolo a partir da cura da única sobrevivente), a equipe pernambucana foi bem sucedida no tratamento de duas fases cruciais: a infecção aguda e virológica. "Amanhã ou no máximo na quinta-feira, terei o resultado da terceira saliva e a comprovação da eliminação do vírus do organismo do paciente", afirma Trindade.

Há, no entanto, uma terceira etapa a ser vencida. "O ponto de vista clínico, depende da recuperação neurológica. (...) Hoje, tivemos que voltar a sedação do paciente. Ele passou a apresentar crises convulsivas", revela o chefe da UTI. "Sobre a cura clínica, nós não temos nenhuma condição de dar prognósticos, nem de dizer como vai ser a evolução, só o tempo vai dizer".  

Com base no protocolo de Milwaukee, o médico pernambucano Gustavo Trindade, chefe da UTI de doenças infecciosas do HUOC, explica o procedimento utilizado para tratar o jovem Marciano Menezes da Silva, 15 anos. O garoto foi mordido por um morcego no dia 7 de setembro e apresentou quadro clínico de raiva humana. Ele ainda corre risco de morrer, porém, não mais por raiva, e sim pelas complicações causadas pela doença.

Leia sobre o estudo americano publicado no The New England Journal of Medicine.

Médicos avaliam situação de jovem que resiste à raiva
Publicado em 11.11.2008

O adolescente Marciano Menezes da Silva, 15 anos, chega hoje ao 32º dia de internamento no Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), no Recife, e permanecem fortes as probabilidades de ter alcançado a cura da infecção aguda pelo vírus da raiva. Um dos médicos que o assiste desde o início, Gustavo Trindade, adiantou ontem que são aguardados resultados de exames laboratoriais, necessários para confirmar a hipótese.

Às 16h de hoje, Trindade e infectologistas do Huoc darão entrevista coletiva, para esclarecer detalhes da evolução do caso, do tratamento aplicado e como o adolescente está reagindo. Marciano Menezes da Silva foi mordido por um morcego e fez apenas uma parte da profilaxia indicada. Tomou o soro anti-rábico, mas não recebeu a vacina.

O garoto permanece na unidade de terapia intensiva do Huoc, respirando com a ajuda de aparelhos. Mas saiu do coma, abriu os olhos e responde a estímulos dolorosos. Embora seja grande a expectativa de cura e a ultrapassagem do período crítico (outras vítimas morreram depois do décimo dia), os médicos não afastam a possibilidade de morte por outras complicações decorrentes do longo período de hospitalização.

Se realmente estiver curado, Marciano será o terceiro caso do mundo. Uma adolescente americana e um paciente colombiano também teriam conseguido o mesmo feito.

» CASO RARO
Jovem que contraiu raiva resiste à doença
Publicado em 05.11.2008

Larissa Rodrigues

Especial para o JC

Pela primeira vez no Brasil, um paciente que contraiu raiva humana está resistindo à doença. Quase um mês após apresentar os sintomas, o adolescente Marciano Menezes da Silva, 15 anos, continua vivo. Os médicos que acompanham o quadro desde o início disseram que o caso é raro, uma vez que, normalmente, as pessoas infectadas morrem no prazo de sete a dez dias depois do surgimento dos primeiros sinais.

O garoto, que adoeceu depois de ser mordido por um morcego, está internado no Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), em Santo Amaro, área central do Recife, desde o dia 10 de outubro. Apesar de continuar em estado grave, o menino conseguiu sair do coma, abrir os olhos e mexer uma das pernas. De acordo com o médico Gustavo Trindade, ele ainda corre risco de morrer, porém, não mais por raiva, e sim pelas complicações causadas pela doença.

“A fase de risco maior de ele morrer dessa doença já passou. Ela está controlada. O que pode levar o paciente à morte são as lesões neurológicas causadas pelo vírus”, explicou.

Segundo o médico, Marciano Menezes está sendo tratado com medicamentos antivirais. Gustavo Trindade não quis informar os detalhes do procedimento. Disse apenas que o mesmo tratamento foi aplicado na única pessoa no mundo que conseguiu ficar completamente curada da raiva humana. O caso ocorreu em 2004, nos Estados Unidos, com uma adolescente de 15 anos, que teve vida normal depois de tratada.

O infectologista do Huoc Vicente Vaz informou que, na literatura médica mundial, há apenas cinco casos em que os pacientes conseguiram sobreviver. Mesmo assim, ficaram com seqüelas.

O pai do garoto, o agricultor João Menezes, disse que a família está satisfeita com a evolução o estado de saúde do menino._._,___


RodapéRodapé
|   Home   |   Ajude   |   Sou contra    |   Curiosidades   |   Contate-nos   |   Login   |   FÓRUM   |   Perguntas Freqüentes   |