Home
terça-feira, 25  de agosto de 2009|  Adicionar aos Favoritos  |   Indique a um Amigo        
Foto
AjudeSou ContraCuriosidadesContate-nos
   Quem Somos
   Parceiros
   Reuniões e Eventos
   Contate-nos
Ajude
   Adote um Animal
   Abaixo-Assinados
   Castração
   Denuncie
   Doações para o Abrigo
   Posse Responsável
   Procura Animal Perdido
   Seja Voluntário
Sou Contra
   Animais em Circo
   Atrocidades
   Carroças Tração Animal
   Leishmaniose
   Pesquisas com Animais
   Rodeios
   Rotulagem Animal
   Touradas
Curiosidades
   Dicas e Orientações
   Divertidos
   Emocionantes
   Punições
   Sites/Links
 

 Forum >> Dicas e Orientações >> PULGAS
PULGASResponder sobre PULGAS
Administrador AB
25/8/2009

DAPP: um problema antigo, mas sempre atual


Leonardo Brandão, MV, MSc, Ph.D.
Gerente de Produto e Relacionamento Pets
MERIAL Saúde Animal


INTRODUÇÃO
A hipersensibilidade à picada da pulga, ou dermatite alérgica por picada de pulga (DAPP), ainda é considerada a dermatopatia mais comum em cães e gatos. Em algumas regiões do mundo é considerada a doença mais prevalente em cães. Vale notar que as condições climáticas são fundamentais para a manutenção da infestação ambiental, e conseqüentemente, do parasitismo sobre o hospedeiro. Embora sejam documentadas mais de 2.000 espécies e subespécies de pulgas, a pulga do gato (Ctenocephalides felis felis) é a espécie mais freqüente em cães e gatos.


CONHECENDO AS PULGAS
As pulgas são insetos considerados adaptados para sobreviver praticamente em todas as áreas do globo que possuam condições de temperatura (23.8oC) e umidade (78%) adequadas à sua reprodução e sobrevivência. Seu ciclo de vida pode ser curto (até 12 dias) ou longo (até 190 dias), com um período médio de 21 dias. Esta extrema variação está relacionada às condições climáticas comentadas anteriormente.
Após o contato, o tempo para que uma pulga adulta inicie sua alimentação sobre o hospedeiro, sugando seu sangue, é de apenas alguns minutos. As fêmeas iniciam a oviposição 24 a 36 horas após seu primeiro repasto sangüíneo. Esses ovos são lisos e escorregadios, caindo no chão em sua grande maioria - principalmente nos locais em que os animais mais se deitam, como camas, sofás e tapetes -. Apenas 30% dos ovos das pulgas permanecem sobre a pelagem dos animais.

Uma única pulga é capaz de produzir até 1.000 ovos em um mês.

Cerca de dez dias após a postura dos ovos ocorre a eclosão das larvas. Apesar dos ovos poderem eclodir em qualquer lugar no ambiente, o desenvolvimento das larvas deve ocorrer longe do hospedeiro, uma vez que não suportam as altas temperaturas do corpo dos mamíferos. Devido ao seu geotropismo positivo e fototropismo negativo, tendem à se proteger da luz, do calor e dessecação em locais profundos.

As larvas se alimentam do sangue ressecado presente nas fezes das pulgas adultas espalhadas pelo ambiente. Dentro de 5 a 11 dias sofrem duas mudas antes de se transformarem em pupas.

As pupas representam o maior desafio para o controle da infestação devido à sua capacidade de permanecer viáveis no ambiente por períodos de até 6 meses (180 dias), na dependência de condições favoráveis. Para que as pulgas adultas possam emergir de dentro dos casulos pupais deve haver estímulos como elevação de temperatura ou da concentração de C02 no ambiente, ou ainda, detecção de vibrações no solo (indicativos da presença de potenciais hospedeiros).

Após a eclosão dos casulos pupais as pulgas adultas saem em buscam de novos hospedeiros. O primeiro repasto sangüíneo e cópula ocorrem 8 a 24 horas após contato com o hospedeiro.

Vale lembrar que apenas 5% das pulgas estão presentes na forma adulta sobre os animais. O restante (95%) está espalhado no ambiente em formas imaturas (ovos, larvas e pupas).

PATOGENIA DA DOENÇA
A DAPP é decorrente de processos inflamatórios desencadeados por substâncias antigênicas presentes na saliva da pulga (compostos histamina-like, enzimas proteolíticas e anticoagulantes). Essas substâncias são liberadas no hospedeiro durante o processo de alimentação das pulgas, podendo desencadear reações de hipersensibilidade imediata ou tardia, respostas de fase tardia mediadas por IgE e reações de hipersensibilidade cutânea mediadas por basófilos. Sabe-se que cães com dermatite atópica parecem ser mais predispostos ao desenvolvimento de DAPP.

DIAGNÓSTICO
O exame físico e histórico do animal são fundamentais para o diagnóstico da DAPP. Devemos sempre nos lembrar de que a máxima "Não é necessário se observar a presença de pulgas sobre o animal para se diagnosticar a DAPP" é sempre válida. Em teoria, a reação alérgica e pruriginosa observada em um animal com DAPP pode ser desencadeada por uma única pulga (sabe-se que uma pulga adulta pode picar um cão 400 vezes ao dia).

Não existe predisposição sexual ou racial, e animais de todas as idades podem desenvolver DAPP. O quadro pruriginoso pode ser sazonal ou perene na dependência das condições climáticas (períodos de calor e umidade). Em alguns casos os proprietários referem períodos de prurido coincidentes com viagens, contatos com outros animais ou visitas a estabelecimentos como lojas ou Petshops.

Em geral podem ser observados quadros de rarefação pilosa ou alopecia na região caudal e lombo-sacra dorsal dos animais. A espessura da pele pode variar de acordo com a duração da doença, sendo a existência de alterações como hiperqueratose, lignificação ou espessamento, mais comuns em quadros crônicos. Esses podem ser ainda acompanhados de alterações na coloração da pele (hiperpigmentação). Outros achados possíveis incluem a presença de pápulas, crostas, descamação, e ocasionalmente, nódulos fibropruriginosos.

Gatos podem apresentar manifestações específicas da DAPP, como a dermatite miliar, granulomas ou placas eosinofílicas e alopecia auto-induzida sem a presença de lesões cutâneas. As áreas mais afetadas costumam ser o dorso, região inguinal, a face caudo-medial dos membros pélvicos, cabeça e pescoço. A presença de proglotes de Dipylidium caninum nas fezes dos animais indica a ingestão de pulgas. A presença de fezes de pulgas sobre o animal ou nos locais em que eles freqüentam podem ser outro indicativo de infestação.

Testes cutâneos intradérmicos utilizando-se alérgenos de pulgas podem revelar a presença de hipersensibilidade imediata ou tardia. Testes séricos in vitro para detecção específica de IgE têm acurácia variável e não são capazes de identificar animais com reações de hipersensibilidade tardia. Os testes histopatológicos são inespecíficos - inflamação perivascular superficial normalmente acompanhada de eosinófilos - revelando um padrão comum a outras reações de hipersensibilidade.

TRATAMENTO
A estratégia de tratamento deve ser segmentada em três focos: (1) tratamento da sintomatologia e das lesões cutâneas dos animais, (2) tratamento adulticida das pulgas (infestação sobre o animal) e (3) tratamento da infestação ambiental (formas imaturas presentes no ambiente).

O tratamento dos sintomas e das lesões cutâneas dos animais pode incluir o uso de medicamentos anti-histamínicos ou corticosteróides (em doses antiinflamatórias) para redução do prurido. O uso de antibióticos pode ser preconizado para tratamento de animais com infecções cutâneas secundárias.

O tratamento adulticida das pulgas sobre os animais é fundamental para controle do prurido (redução da estimulação antigênica pela saliva da pulga), quebra do ciclo reprodutivo das pulgas adultas e da reinfestação ambiental (produção de ovos). O uso de produtos que contenham reguladores do crescimento dos insetos (IGRs) ou inibidores do desenvolvimento dos insetos (IDIs) pode ser muito útil para um programa de controle de longo prazo com o objetivo de erradicar efetivamente a infestação ambiental. Esse tratamento deve ser preconizado em todos os animais que convivem num mesmo ambiente. Uma causa freqüente de falha no tratamento é tratar apenas alguns animais (reconhecidos como mais sensíveis ou portadores de DAPP), enquanto os animais não tratados continuam trazendo pulgas para dentro de casa, mantendo o ciclo de infestação.

O uso mensal dos produtos da linha Frontline (Frontline Spray, Frontline Plus e Frontline TopSpot) é recomendado para cães e gatos com DAPP. O uso contínuo de Frontline Plus (fipronil + (S)-Metopreno) comprovadamente reduz a infestação ambiental por impedir que eventuais ovos de pulgas que caírem no ambiente sejam capazes de eclodir, quebrando assim o ciclo de reinfestação ambiental.

O tratamento ambiental é fundamental para que se consiga efetivamente controlar a infestação. Ele deve envolver todas as áreas por onde circulam os animais. O uso de produtos inseticidas dentro de casa deve ser feito preferencialmente por um profissional qualificado. Deve-se lembrar que todos os estofados, tapetes, sofás e carpetes devem ser tratados.

O controle interno da casa pode ser difícil, principalmente se houver muitos animais, em especial os gatos com acesso à rua. A aspiração pode ser um importante aliado para a limpeza do ambiente, sendo muito eficiente para a remoção de ovos e larvas.

Vale lembrar que um local frequentemente esquecido para controle de pulgas é o carro da família. Deve-se proceder à sua aspiração toda vez que o animal tiver acesso a ele.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • LAM, A.; YU, A. Overview of flea allergy dermatitis. Compedium on Continuing Education for Veterinarians, May, p.220-225, 2009. (acesso em compendiumvet.com 28 de maio de 2009).

  • GROSS, T.L. HALLIWELL, R.E. Lesions of experimental flea bite hypersensivity in the dog. Veterinary Pathology, v. 22, p. 78-81, 1985.

  • HALLIWELL, R.E.; PRESTON, J.F.; NESBITT, J.G. Aspects of the immunopathogenesis of flea allergy dermatitis in dots. Veterinary Immunology and Immunopathology, v. 17, p. 483-494, 1987.

  • KWOCKA, K.W. Fleas and related disease. Veterinary Clinics of North America Small Animal Practice, v. 17, p. 1235-1262, 1987.

  • MEDLEAU, L.; CLEKIS, T.; McARTHUR, T.R.; ALVA, R.; BARRICK, R.A.; JEANNIN, P.; IRWIN, J. Evaluation of fipronil spot-on in the treatment of flea allergic dermatitis in dogs. Journal of Small Animal Practice, v. 44, p. 71-75, 2003.

  • MEDLEAU, L.; HNILICA, K.A.; LOWER, K.; ALVA, R.; CLEKIS, T.; CASE, J.; McARTHUR, T.R.; BARRICK, R.A.; JEANNIN, P.; IRWIN, J. Effect of topical application of fipronil in cats with flea allergic dermatitis. Journal of American, Veterinary Medical Association, v. 221, n. 2, p.254-257, 2002.

RodapéRodapé
|   Home   |   Ajude   |   Sou contra    |   Curiosidades   |   Contate-nos   |   Login   |   FÓRUM   |   Perguntas Freqüentes   |